• Av. das Américas, 1155 - Sala 1911 - Barra Space Center Rio de Janeiro
  • (21) 2499-4480 (21) 3215-9506 / 97038-2771
  • Contato

DICAS E ARTIGOS

SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR PODE AJUDAR NA REGENERAÇÃO D

Tratamentos de lesões cartilaginosas e da artrose do joelho têm sido grandes desafios para a medicina esportiva. Estudos científicos são pouco conclusivos e conflitantes.


O tratamento das lesões cartilaginosas e da artrose do joelho tem sido um grande desafio para a medicina esportiva. Nos últimos anos, com a melhor compreensão da biologia e da cicatrização do tecido cartilaginoso, um grande arsenal terapêutico, envolvendo desde a fisioterapia e fortalecimento muscular, infiltrações e procedimentos cirúrgicos, tem sido desenvolvido. Nem todos com taxas de sucesso satisfatórias, principalmente entre atletas.

O conceito da suplementação alimentar com medicamentos que auxiliariam na regeneração cartilaginosa é recente e tem grande fomento da indústria farmacêutica. Indiscutivelmente, pelo fato de estes produtos terem pouquíssimas contraindicações e efeitos colaterais, são altamente atrativos. Apesar dos estudos científicos pouco conclusivos e conflitantes, estes produtos (diascereina, glicosamina, condroitina e colágeno hidrolisado) são lançados no mercado a preços ridiculamente elevados e sob propaganda de que seriam revolucionários no tratamento da condromalacia e artrose. 

Os sulfatos de glucosamina e condroitina, utilizados separadamente ou em conjunto, estão entre os suplementos mais populares. Eles são amino-açúcares produzidos naturalmente no corpo, e a sua produção diminui com o envelhecimento (quando as pessoas mais precisam). Sua suplementação desempenharia um papel importante na formação, manutenção e reparação de cartilagem e outros tecidos do corpo. Mas eles realmente funcionam?

A revista American Family Physician publicou recentemente um artigo sobre o uso de suplementos alimentares na osteoartrite. Eles deram uma nota "B" quanto à evidência científica para ambos. Isto significa que, baseado em estudos de seguimento a longo prazo, haveria redução modesta de sintomas da osteoartrite, possivelmente, retardando a progressão da doença.

Um estudo intrigante de 2004, no qual metade dos voluntários tomou glicosamina e a outra metade ingeriu placebo, reportou melhoria de sintomas, mas não houve diferença no resultado entre os grupos. Outro estudo publicado na revista New England Journal of Medicine, no qual foram administrados glucosamina, condroitina, glucosamina e condroitina em conjunto, um anti-inflamatório e um placebo, teve como surpreendente resultado maior taxa de melhoria de sintomas no grupo onde o placebo foi administrado.


Em outro estudo publicado em 2010 na revista Annals of Rheumatic Diseases, houve melhoria de sintomas em pessoas que suplementaram suas dietas com glicosamina, porém com resultados inferiores àqueles que usaram anti-inflamatórios e placebo. 

Portanto, apesar do apelo comercial, a evidência existente na atualidade é compatível com a hipótese de que a glucosamina e a condroitina, quando administradas a longo prazo, possuem o mesmo efeito do placebo. Seu uso, portanto deve ser mais racionalizado, com cuidado especial a diabéticos e pessoas com problemas gastrointestinais, como a gastrite e síndrome do intestino irritável. Para os que acreditarem e optarem por seu uso, devem ter em mente que o uso nunca deve ser isolado, mas sempre associado à reabilitação e sob orientação médica.

Estudos futuros devem focar na capacidade destes medicamentos de modificarem o curso das doenças cartilaginosas e no efeito a longo prazo na prevenção destas lesões em quem pratica esportes com regularidade.



PRÓTESE DE JOELHO

As próteses de joelho são substituições articulares indicadas em casos de artrose severa, com ou sem desvio do eixo do joelho,  dor importante e restrição funcional, limitando o paciente  de atividades cotidianas.

A ideia de interpor algo entre os ossos do joelho para evitar o atrito e a sobrecarga óssea, e consequentemente a dor, surgiu em 1860 por Fergunsson. As tentativas iniciais foram realizadas com tecidos moles (cápsula articular, pele, músculos, fáscia, gordura e até tecidos suínos). O primeiro implante surgiu na década de 40, porém como não  reproduzia a complexidade do joelho, o paciente permanecia com dor, instabilidade e perdas funcionais importantes. Em 1971 Gunston conseguiu reproduzir parcialmente o conjunto de movimentos do joelho, e desenhou uma prótese que apresentou melhores resultados, sendo este o modelo para os implantes seguintes. Hoje em dia, o desenvolvimento da técnica da cirurgia de prótese de joelho  tem proporcionado uma melhora importante na qualidade de vida dos pacientes.

Esta evolução passou recentemente pelo desenvolvimento das próteses parciais, aonde é feita a substituição apenas do compartimento do joelho atingido pela artrose grave.  Existem 3 compartimentos no joelho: o medial, lateral, compostos pela articulacao entre fêmur e tíbia,  e o patelo-femoral. Estes tipos de prótese tem indicações restritas, e o joelho deve ser cuidadosamente analisado para que não haja substituição ou manutenção indevida de determinadas estruturas.

São realizadas em média 130 mil cirurgias de prótese de joelho por ano nos Estados Unidos. A técnica consiste em expor integralmente a articulação através de uma incisão longitudional anterior ao joelho, e abertura das camadas subcutâneos e do aparelho extensor (tendão quadricipital, cápsula e retinácula medial, extendendo o corte medialmente ao tendão patelar até proximo à tuberosidade anterior da tibia). Todo tecido degenerado deve ser retirado. A cartilagem é extraída através de cortes ósseos guiados por instrumentos milimetricamente inseridos, preparando o fêmur, a tíbia e a patela para receberem os implantes  fixados por cimento ósseo. O material mais utilizado para confecção das próteses é uma liga metálica de Cromo-Cobalto no fêmur e um "insert" tibial de Polietileno conectado a uma base metálica da mesma liga ou de titânio. O componente patelar também é de polietileno. Existem outros materiais que podem ser utilizados em pacientes alérgicos a este tipo de metal.

A cirurgia é indicada:

- ARTROSE GRAVE COMPROVADO POR EXAMES DE IMAGEM

- DOR IMPORTANTE (com a qual o paciente dependa de medicações para estar bem)

- RESTRIÇÕES FUNCIONAIS IMPOSTAS PELO DESGASTE (dificuldade em realizar tarefas básicas)

Os desvios angulares do joelho devem ser levados em consideração. O sistema músculo-esquelético humano, no qual as articulações estão incluídas, podem ser comparadas à um sistema de engrenagens, aonde quando uma das peças começa a entortar e falhar, as outras podem ser sobrecarregadas. Um desvio em valgo ou varo do joelho deve ser cuidadosamente estudado para que evitemos dores principalmente na coluna lombar e nos quadris.

A idade do paciente nao é fator de contra-indicação para colocação da prótese. Tanto paciente jovens quanto idosos podem ser submetidos ao procedimento desde que haja a indicação correta e a sua condição clínica permita o procedimento.

O retorno da deambulação é precoce, com auxílio de andador e depois bengala. A  fisioterapia deve ser iniciada rapidamente.

Os objetivos da fisioterapia são : trabalhar os movimentos do joelho, cuidados com a cicatriz e desenvolvimento de  reforços musculares de proteção. Estas medidas permitem ao paciente voltar a andar normalmente e executar as atividade diarias sem dor, além de evitar o desgaste precoce do implante.



EXERCÍCIOS PARA ARTROSE NO JOELHO

Os exercícios mais indicados em caso de artrose no joelho são aqueles que fortalecem os músculos da região anterior lateral e interior da coxa. Os exercícios devem ser realizados 3 vezes por semana, com séries de repetição de 3 x 20. Isto é, cada exercício deverá ser realizado 20 vezes e então há 1 minuto de descanso. Depois deve-se realizar mais 2 séries iguais a esta. Os exercícios devem ser prescritos pelo fisioterapeuta, de forma individualizada.

Os exercícios de Pilates para artrose no joelho devem ser orientados por um fisioterapeuta com conhecimento específico da técnica. Existem diversos exercícios de Pilates que podem ser utilizados no tratamento da artrose e a sua aplicação vai depender do grau da lesão e dos sintomas apresentados pelo indivíduo.

Exercícios desaconselhados para artrose de joelho

Alguns exemplos de exercícios desaconselhados em caso de artrose nos joelhos são:

  • Corrida;
  • Step;
  • Musculação, dependendo do grau da lesão;
  • Lutas marciais;
  • Salto com vara.

Estes exercícios são desaconselhados, pois podem produzem grande impacto nos joelhos, podendo aumentar a lesão, agravando a doença e aumentando o risco de cirurgia.


Exercícios físicos aconselhados para artrose de joelho

Os exercícios físicos mais aconselhados para quem sofre de artrose de joelho são caminhada leve, com tênis apropriado para corrida e andar de bicicleta, mas o médico ou o fisioterapeuta poderá indicar o melhor exercício no seu caso específico, já que pode haver variações de acordo com a gravidade da lesão apresentada.

Os exercícios são ótimos para o tratamento da artrose no joelho, pois eles ajudam a fortalecer os músculos da perna, aumentam a densidade óssea e diminuem a dor. É importante fortalecer os músculos que formam o quadríceps em caso de osteoartrose no joelho, pois eles controlam o impacto do pé no chão, diminuindo a degeneração da articulação dos joelhos e diminuindo a necessidade de cirurgia.

Quando o indivíduo não sentir mais dores nos joelhos, os exercícios poderão atingir um nível mais forte e o fisioterapeuta poderá indicar uma avaliação com um bom preparador físico, pois a musculação pode ajudar a prevenir lesões futuras.



POR QUE MEUS JOELHOS RANGEM E FAZEM BARULHO QUANDO EU AGACHO?

A crepitação é extremamente comum, pois nossas articulações fazem muito barulho.


Aquele barulho vindo de seus joelhos quando você se agacha, pode ser enervante ou preocupante... “Mas se não for acompanhado por dor, desconforto ou inchaço, não há necessidade de se preocupar com isso”. 

O som de estalo que você ouve é conhecido como crepitação. Em alguns casos, isto não é nada mais que bolhas de gás aparecendo em suas articulações. Isto ocorre quando nós estalamos os dedos das mãos também. Depois de uma ou duas vezes, não há mais bolhas para se formar e os dedos param de estalar por algum tempo, até novas bolhas conseguirem se formar.

Isto também pode ser resultado da diminuição da espessura da cartilagem, principalmente nos joelhos. Esta cartilagem reveste as extremidades dos ossos, e com o passar do tempo vão perdendo água e afinando. Com isto, as articulações vão perdendo a suavidade, fazendo com que ossos e tecidos criem um pequeno atrito quando você dobra as pernas. “A crepitação é extremamente comum, pois nossas articulações costumam fazer muito barulho”.

Em relação à crepitação nas articulações, as questões mais importantes são, “em primeiro lugar e acima de tudo: existe dor ou inchaço? Em segundo lugar, o ruído é associado com o bloqueio dos joelhos ou a perda de mobilidade dele? Caso não haja dor ou perda de movimento, não é algo que deva preocupar a pessoa. Porém, caso ocorra dor ou limitação articular, a pessoa deve procurar um médico. Se você tem uma lesão no menisco, por exemplo, a crepitação pode estar associada ao bloqueio do joelho”.

Se há trituração ou moagem quando você executa um agachamento e é muito doloroso, o problema pode estar associado com a artrose. Qualquer um desses sintomas seria uma boa razão para ver um especialista em Ortopedia. Mas o estalo, por si só, sem dor ou outros sintomas, pode ser inócuo”.

Em outra hipótese, “se o ruído ocorre durante exercícios de agachamento na academia, pode ser porque você está se abaixando demais. Um grande movimento de agachamento onde seus quadris ficam abaixo dos joelhos pode colocar uma pressão excessiva sobre as articulações. Quando você faz um agachamento desta maneira, você coloca quase oito vezes o peso do seu corpo na sua patela (o osso da frente do joelho). E então, quando você adiciona uma barra com ou sem peso em cima disso, as articulações e os tecidos ao redor do joelho acabam sendo muito exigidos".

Esses exercícios só devem ser feitos por quem está muito bem condicionado e sob a orientação de um bom educador físico, caso contrário irão levar a lesões nos joelhos”

Para obter os benefícios dos exercícios de flexão dos joelhos, as pessoas podem fazer flexões parciais do joelho, que é quando eles não se dobram mais de 90 graus. “Dessa forma, é possível treinar a força de forma eficaz, sem sobrecarregar as articulações. Na dúvida, converse com um médico da sua confiança”.



PÓS-OPERATÓRIO DE LIGAMENTO CRUZADO DO JOELHO

A cirurgia do ligamento cruzado anterior é atualmente uma  das mais comuns no meio esportivo. A lesão ocorre por varias causas, mas geralmente podemos citar tres principais motivos:

  • Falha no aquecimento;
  • Fadiga muscular;
  • Movimento anômalo, não natural.

O ligamento cruzado anterior é o ligamento do joelho com maior numero de lesões no futebol. Isto acontece porque este ligamento serve para evitar movimentos extremos de rotação e valgo (joelho forçado a fazer um X). Com a proliferação da prática de futebol society, que é um piso mais duro, que prende mais a chuteira, não é incomum se observar algum "jogador" sair carregado todas as noites, vítima de torsão no joelho.

A lesão do ligamento cruzado anterior leva a uma sensação de joelho frouxo e instável, que impede de jogar futebol, mas principalmente, vai causando uma atrofia no joelho. Segundo relato de pacientes, é comum ouvir que "meu joelho está instável", "meu joelho atrofiou, o que faço" . Quando voce tiver uma torção do joelho e ele inchar, tem grande chance de ter ocorrido uma lesão de ligamento, não obrigatóriamente do ligamento cruzado, mas é importante que seja investigado, pois quanto mais tempo demora para ver o que aconteceu, fica mais difícil de recuperar a condição muscular e retornar aos esportes.

O tratamento da lesão do ligamento cruzado anterior é quase sempre cirúrgico, pois sem este ligamento o joelho "perde o eixo". Imagine voce tentando correr sobre um chão ensaboado e tentando mudar de direção. É mais ou menos isto que sente a pessoa logo após uma lesão deste ligamento.

A cirurgia a ser realizada é por artroscopia,  e posso dizer com certeza que permite retorno para a prática esportiva em 95% dos casos, no mesmo nível que tinha antes de machucar o joelho. Lógico que a cirurgia precisa ser realizada por especialista, e tão importante quanto a cirurgia é o  acompanhamento, a fisioterapia, a musculação, pois o processo de reabillitação  leva 6 meses, mas com 15 dias voce já poderá dirigir carro, caminhar.


Como é o pós operatóriodo ligamento Cruzado do joelho ?

Durante a primeira e segunda semanas
- Andar com duas muletas de apoio axilar e imobilizador de joelho, podendo apoiar o lado operado no chão;
- Não é permitido mover o corpo sobre o joelho, por exemplo ao entrar e sair do carro. Utilize a perna não operada para mudar de direção.
- Realizar flexão e extensão do joelho operado  várias vezes por dia, sentado em cadeira.
- Aplicar gelo no joelho por 20 minutos, três vezes por dia. Utilizar o gelo sobre um pano, e não diretamente no joelho;
- Retirar pontos na segunda semana.
- COMEÇA A ANDAR COM 7 DIAS
- DIRIGE CARRO COM 15 DIAS

Durante a terceira semana
- Manter a muleta do lado normal e apoiar peso no lado operado.
- Deve ter flexão e extensão já quase normal
- Andar apenas em linha reta; para mudar de direção use o lado não operado

Durante Quarta semana
- Liberado para andar sem muletas, mas lado operado só anda em linha reta;

Da Quarta à oitava semana é o período mais crítico para perder a cirurgia. Todo cuidado é importante

Durante Quinta e até oitava semana
- Fisioterapia para reforço muscular
- Liberada caminhada moderada em linha reta.
- NATAÇÃO LIBERADA COM DOIS MESES DE CIRURGIA

Durante terceiro mês
- Liberado para caminhada rápida em linha reta
- LIBERADO CORRIDA EM ESTEIRA

Durante quarto mês
- Liberado para caminhada rápida em todas as direções E CORRIDA NA RUA

Durante Quinto mês
- Liberado para corrida em linha reta. REALIZA TESTE DE CYBEX PARA AFERIR REABILITAÇÃO. INICIA TREINO COM BOLA

Durante Sexto mês
- Liberado para prática esportiva, SE APROVADO NO CYBEX.
- COMPLEMENTA REFORÇO MUSCULAR GUIADO PELO CYBEX

Como observado, a cirurgia do ligamento cruzado anterior tem uma fase inicial mais lenta, que exige repouso para permitir a cicatrização, mas o avanço das técnicas de cirurgia e fisioterapia tem conseguido fazer voce voltar a jogar bola ou outra atividade entre 6 e meses.


 



MÉDICO DO ESPORTE

O Médico do Esporte atua tanto na avaliação do sistema ósteo muscular e no tratamento conservador de lesões decorrentes da atividade física quanto em aspectos clínicos da saúde unindo  os conhecimentos das Ciências da Saúde aos da Fisiologia do Exercício, no intuito de possibilitar uma adequada avaliação e orientação para a prática de exercícios físicos desde o atleta de alto rendimento e de equipes profissionais das diversas modalidades esportivas até paciente que necessite de estratégias de reabilitação decorrentes de doenças crônicas como acometimentos osteomusculares , reumáticos e cardíacos passando também pelo paciente praticante de atividade física para prevenção de doenças e melhoria da qualidade de vida.

O profissional em medicina esportiva irá implementar estratégias pela influência do exercício físico na saúde prescrever , orientar e individualizar o exercício para as diversas faixas etárias seja ela crianças e adolescentes , adultos ou idosos da maneira mais adequada.

Hoje sabe -se que a inatividade física é um fator de risco mais importante que o tabagismo para a saúde e recentes pesquisas mostram que a prática de  exercícios físicos atuam diretamente de maneira positiva no controle de doenças como a hipertensão , obesidade  e dislipidemias além de doenças reumatológicas como osteoartrite de joelho

A Medicina Esportiva é uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e pela Associação Médica Brasileira.

A Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte – SBME é responsável pela atribuição do Título de Especialista, mediante aplicação de prova específica aos médicos pré-qualificados.



Joelho estalando

Ter o joelho estalando pode não ser nada de especial, pode ser sinal de artrose do joelho ou até mesmo de problemas na coluna. Muitas vezes, quando uma determinada região não está bem, o corpo, por um mecanismo de compensação, acaba forçando uma outra região. É o que acontece muito frequentemente com os problemas de coluna. E coluna, quadris, joelhos e tornozelos estão intimamente ligados.

O joelho estalando indica uma crepitação da patela, que pode ser causada também por uma artrose, ocasionada pelo processo natural de envelhecimento, uma pancada ou inflamação. Caso o joelho só esteja estalando mas não tenha dor e nenhuma limitação associada, não é necessário nenhum tipo de tratamento específico.

Mas, se houver outros sintomas associados, é muito importante tratar a situação prontamente através da fisioterapia. Durante o tratamento fisioterapêutico, recomenda-se não pegar peso, não usar sapatos pesados e desconfortáveis e evitar ao máximo subir e descer escadas. Uma boa maneira de poupar um pouco esta articulação é colocar uma ligadura elástica justa no joelho durante o dia. No entanto, ela não deve ser muito apertada, para evitar problemas circulatórios.



O que é a Medicina do Esporte?

Medicina esportiva é uma área da medicina que é especificamente relacionado com o tratamento de condições desportivas e lesões relacionadas ao esporte. Os envolvidos no campo da medicina esportiva passar por um treinamento especializado para ajudá-los a compreender ainda mais alguns dos problemas comuns associados com o esporte e lesões físicas. Está se tornando um campo cada vez mais popular e a demanda por especialistas em medicina esportiva está crescendo como a população em geral procura tornar-se mais ativo.

Enquanto os médicos são uma parte importante do campo de medicina esportiva, eles não são os únicos envolvidos em medicina esportiva. Outros envolvidos incluem nutricionistas, personal trainers, treinadores e psicólogos do esporte. Dependendo do campo específico um indivíduo está tentando entrar, pode exigir um grau de bacharel ou de pós-graduação. Alguns podem ainda querer continuar a sua educação com base na concorrência por empregos.

O objetivo da medicina esportiva é para evitar lesões e otimizar um estilo de vida saudável. Uma vez que uma lesão ocorre, o objetivo é, em seguida, certifique-se a pessoa ferida vem tão perto de uma recuperação completa possível. Em alguns casos, isto pode significar nenhuma perda notável do desempenho, mas em outras, pode haver uma perda substancial.

Alguns médicos que já se especializam em uma forma de medicina pode decidir ainda se especializar em medicina esportiva. Por exemplo, um cirurgião ortopédico, que já é um especialista, pode decidir passar para o campo da medicina esportiva. Como médico que trabalha mais com lesões relacionadas ao esporte, sua habilidade em tratar essas lesões naturalmente cresce também. Isto poderia ser muito importante, especialmente para os atletas profissionais que são feridos e dependem de um bom médico para que eles possam continuar ganhando a vida.

Também deve-se notar que a medicina desportiva não é exclusivamente dedicado a atletas profissionais, apesar de que é o que muitas pessoas podem pensar de quando ouvem o termo. Muitos profissionais de medicina esportiva trabalhar toda a sua carreira sem qualquer vendo um atleta profissional como um cliente. Com o estilo de vida cada vez mais ativa dos indivíduos, medicina esportiva está se tornando mais importante para a população em geral.

Em alguns casos, aqueles com lesões não desportivos também irá procurar um especialista em medicina esportiva, simplesmente porque a lesão é de um tipo que normalmente ocorrem nos esportes. Isso se aplica especialmente para os problemas ósseos e ligamentares. Algumas dessas lesões pode ser muito difícil de lidar, e um especialista em medicina esportiva pode ser a melhor opção disponível.

  • Aqueles que praticam esportes de contato como rugby, muitas vezes precisam de atenção médica.
  • O médico do esporte podem tratar lesões no joelho relacionadas com o desporto.
  • O objetivo da medicina esportiva é para evitar lesões e otimizar um estilo de vida saudável.
  • Médicos Esportes pode precisar para tratar uma série de lesões de jogadores de futebol.
  • Lesões são comuns no esporte.
  • Alguns profissionais médicos que se especializam no tratamento de lesões relacionadas ao esporte trabalhar com ambos os atletas amadores e profissionais.

 



Exercícios para melhorar dores nos joelhos

Dores no joelho são um problema físico muito comum, consideradas lesões muito frequentes, principalmente entre pessoas que não praticam nenhum tipo de exercício físico ou que limitam-se a fazer isso apenas no fim de semana.

Mas existem alguns exercícios que podem nos ajudar a fortalecer os joelhos, eles são a maneira mais adequada de prevenir e evitar esse tipo de problema que, na maioria dos casos, pode se tornar incapacitante.

Exercícios para evitar a dor de joelho

Os exercícios que podem ser praticados para diminuir a dor de joelho são muito simples, podem ser praticado em casa ou, para quem preferir, na academia, já que é a melhor maneira de fazer com que os músculos se tornem e se mantenham mais fortes, além das articulações do joelho se tornarem mais flexíveis e, portanto, mais saudáveis.


1º Exercício

Pegue uma cadeira e se apoie em sua parte traseira (preste atenção para que a própria cadeira seja pesada o suficiente para aguentar o seu apoio sem virar), depois levante a perna direita, movendo-a para trás até formar um ângulo de noventa graus. Mantenha os joelhos juntos e a posição estática por pelo menos 5 segundos, depois disso abaixe a perna lentamente e repita o exercício com a outra perna. Pratique de três a quatro séries de dez.


2º Exercício

Outro ótimo exercício para aliviar a dor nos joelhos é o seguinte: deite de costas e mantenha a perna esquerda dobrada e a direita sobre o chão. Levante a perna direita e deixe-a nessa posição por pelo menos cinco segundos, depois abaixe-a e repita o mesmo processo com a outra perna. Nesse exercício também é recomendável repetir quatro séries de 10 levantamentos.

É muito importante que esses exercícios sejam feitos com paciência, de maneira suave, sem forçar muito os músculos e procurando manter as costas firmes.

3º Exercício

Pare com as costas encostadas na parede e os pés um pouco separados (a uma distância de mais ou menos trinta centímetros da parede), abaixe pouco a pouco até ficar quase sentada e permaneça nessa posição por dez segundos, depois suba lentamente. Repita o exercício 20 vezes diariamente, isso será mais do que o suficiente para que os joelhos ganhem muito mais resistência.

4º Exercício

Saia para caminhar pelo menos por trinta ou quarenta minutos todos os dias, caminhe rápido e usando sapatos confortáveis, que não maltratem os pés, assim a caminhada será mais agradável e manteremos a possibilidade de evitar ou aliviar as incômodas e por vezes incapacitantes dores nos joelhos.

Lembre-se, é muito importante prevenir esse tipo de problema físico e para isso basta manter uma rotina de atividades físicas saudável e contínua, afinal, essa é a única maneira de obter articulações flexíveis, saudáveis e fortes.

 

Importante -  Todo exercício deve ser feito com
orientação do seu médico.



Dor nos joelhos pode ser lesão no menisco

Problema dificulta o apoio dos pés no chão e deve ser tratado

Sentir dor nos joelhos não é normal, principalmente se o sintoma afeta a rotina. Se esse é um problema que lhe incomoda deve ser avaliado pelo seu médico. Uma das causas da tensão no local pode ser lesão nos meniscos.

Eles são duas estruturas que ficam dentro do joelho (sanduíche do joelho), localizadas entre a tíbia e o fêmur. O menisco tem uma superfície lisa com grande capacidade de adaptar-se à compressão, deformando-se e retornando à sua forma original.

As principais funções dos meniscos são:
-absorver impacto
-contribuir para estabilidade articular
-auxiliar na lubrificação
-proteção da cartilagem
-melhorar a congurência

O mecanismo de lesão mais comum se dá através de trauma indireto, entorse do joelho (sem contato direto), ou por traumatismo direto.

O menisco também pode sofrer, ao longo do tempo (sobrecarga, instabilidades não tratadas, artrose), um processo degenerativo (desgaste) e romper-se sem causa aparente.

Os principais sintomas são: dor do joelho, edema, sensação de falseio, dificuldades para apoiar o pé no chão, limitação para flexo-extensão e, nas lesões mais extensas (tipo "alça de balde"), bloqueio da articulação. 

O diagnóstico se dá através da história, relatada pelo paciente, exame físico, com testes e manobras especiais e específicas.

Além disso, exames complementares devem ser solicitados, caso a caso, iniciando-se pela radiografia simples, e complementar com a ressonância magnética que confirmará ou não a lesão meniscal e identificar o tipo de dono, tamanho e a presença de outros prejuízos associados.

O tratamento na fase aguda:
-gelo
-analgésico e antiinflamatórios
-muletas se necessário
-fisioterapia

Nos casos não responsivos ao tratamento clínico, ou no caso de lesões extensas e complexas, indica-se o tratamento cirúrgico artroscópico, removendo parte do menisco ou suturando a lesão, dependendo do local acometido e da extensão da mesma. 



Mitos e verdades sobre a artrite reumatoide

Ao contrário da artrose, a artrite reumatoide é uma doença autoimune que não tem cura, apenas controle dos sintomas

Com bastante frequência, ouve-se que artrite reumatoide é "doença de velho". É comum também acreditar que ela se agrava com exercícios físicos, bem como que quem sofre do mal não pode comer carne de porco. Nada disso é verdade. Essas afirmações fazem parte apenas de uma junção de mitos acerca da doença autoimune que, na verdade, afeta as pessoas ainda quando jovens, mais precisamente a partir dos 18 anos.

Na América Latina atinge seis mulheres para cada homem -, causa inflamação nas juntas, como joelhos e pulsos, e provoca dor e inchaço. A designação autoimune acontece quando o sistema de defesa do corpo “estranha” o próprio corpo e começa a atacá-lo como se alguma parte dele fosse um invasor, provocando inflamações que resultam em perda de qualidade de vida, por causa dos sintomas.

A pergunta de um milhão de dólares é: o que causa essa confusão no sistema imunológico a ponto de ele se autoatacar? Que a medicina ainda não tem essa resposta. “Sabe-se muita coisa do que acontece no sistema imunológico e na articulação, mas o que causou o desarranjo ainda não se sabe”. A medicina suspeita que as causas sejam multifatoriais, como alterações genéticas e ambientais.

Há uma tendência genética para a doença, mas nada que se diga que se a mãe tiver, a filha também vai ter. “Ela tem uma chance maior de ter artrite reumatoide, mas não se desaconselha uma mãe a ter um filho por causa disso”.

O tratamento já é conhecido da medicina e pode melhorar a vida dos pacientes portadores da doença. Por se tratar de uma doença imunológica, a médica explica que tenta-se restaurar o sistema imunológico, para que ele volte ao estado original de equilíbrio. O tratamento deve ser feito para o resto da vida, sempre com acompanhamento médico.

Conheça alguns mitos e verdades sobre a artrite reumatoide:

A artrite reumatoide é uma doença exclusiva de idosos?
Mito
- Não. A doença de idosos chama-se artrose e ninguém escapará ileso na terceira idade. “De maneira grosseira, pode-se pensar na artrose como resultado do desgaste e uso das articulações ao longo da vida”. Já a artrite pode acometer pessoas a partir dos 18 anos, sendo mais comum por volta dos 40 anos.

Exercícios provocam artrite reumatoide?
Mito – Os exercícios provocam artrose, por conta do desgaste, mas não a artrite. A médica recomenda, no entanto, que o paciente evite exercícios físicos em momentos de crise. “Quando estiver sem crise, o exercício é inclusive muito benéfico”. A atividade física ajuda no condicionamento, mas antes de praticar é ideal consultar o médico para que ele indique os exercícios mais adequados e que não sobrecarreguem as articulações inflamadas. Exercícios de menor impacto, como os feito na água, são mais indicados.

Tabaco influencia no aparecimento da doença?
Verdade – Por não ser de razão única, como ter predisposição genética e ambiental, o cigarro pode ajudar a desencadear a artrite e também piorá-la. Se alguém na família já tem artrite reumatoide, é prudente os familiares pararem de fumar para não correrem o risco de “acordar” a doença.

A gravidez ajuda a melhorar a artrite reumatoide?
Verdade – Sim, há uma melhora durante a gestação. É ideal que a gravidez seja planejada e a intenção de engravidar seja compartilhada com o médico, já que muitas medicações devem ser suspensas para não provocar riscos ao bebê.

Quem tem artrite reumatoide não pode comer carne de porco?
Mito – A alimentação é livre, embora recomenda-se uma dieta saudável. “Alguns estudos relacionaram o ômega 3 com a melhora dos sintomas, mas a quantidade a ser ingerida seria tão absurda que é inviável”. 

Obesos sofrem mais com artrite reumatoide?
Verdade – Manter o peso ideal é importante para não sobrecarregar as articulações, que podem estar inflamadas.

Terapias alternativas curam artrite reumatoide?
Mito – Terapias alternativas podem ajudar, mas não substituem as medicações tradicionais receitadas pelo médico, que podem incluir anti-inflamatórios, corticoides, analgésicos e outros medicamentos que vão equilibrar o sistema imunológico, resultando na ausência de sintomas desagradáveis para o paciente.

 

 

 



Joelhos sadios: a escolha é sua!

O joelho, maior articulação do corpo humano, está sujeito a lesões porque é o centro de uma alavanca que, além de transmitir as forças geradas pelos músculos ao seu redor, suporta também o peso do nosso corpo. Quem já não sentiu algum incômodo ou mesmo dor nos joelhos durante uma corrida, andando de bicicleta, praticando algum esporte ou durante um exercício físico? Os joelhos nem sempre são tratados de forma adequada pelos seus donos e a maioria das pessoas diz que, em algum momento de sua vida, já teve alguma dor neles.

Ao contrário do que muitos pensam, não é normal o joelho doer no dia a dia. Também não é normal que ele inche, apresente crepitações, estalidos fortes ou que a pessoa tenha a sensação de “falseios”, como se alguma coisa “saísse do lugar” ao mexer o joelho. Por isso, se você perceber um destes sinais, não deixe para depois e consulte um especialista. A sua articulação pode estar em perigo!

“Esses sinais, isolados ou em conjunto, muitas vezes negligenciados pela maioria das pessoas, podem indicar a presença de uma patologia que, quando diagnosticada e tratada precocemente, pode evitar transtornos no futuro. Um exemplo típico é a artrose dos joelhos, a artrose, por exemplo, que é o desgaste da cartilagem que reveste a articulação, quando identificada e tratada no início, evita grandes incômodos anos depois.

Muitas patologias do joelho - como lesões dos meniscos, ligamentos e cartilagem - precisam de tratamento cirúrgico. Mas, felizmente, a maioria das cirurgias pode ser feita hoje por artroscopia, que é uma técnica cirúrgica moderna e minimamente invasiva que consiste em abordar o interior da articulação através de incisões muito pequenas e instrumentos cirúrgicos especiais. O método é praticamente indolor e propicia uma recuperação mais rápida do paciente. O joelho é a articulação na qual é realizada a maioria das cirurgias artroscópicas.

Foi essa cirurgia que permitiu ao representante comercial Jildo Begale Tardiole, de 67 anos, que há mais de 30 anos sentia dores no joelho direito devido a uma entorse sofrida durante uma partida de futebol, continuar praticando atividades físicas. “Sempre gostei de corridas e de participar de maratonas, tanto que continuei correndo por mais de 25 anos depois da minha primeira lesão. Com o tempo, o desgaste na cartilagem exigiu a cirurgia. Não senti nada, minha recuperação foi rápida e depois de um mês voltei ao pique”, comemora o atleta, que  hoje pedala de 15 a 20 km, cinco vezes por semana. “Minha saúde está 100% e meus joelhos estão ótimos”, acrescenta.


Entendendo a artroscopia

O procedimento tem a duração de poucos minutos. São feitas duas mini-incisões (orifícios), uma em cada lado do joelho, não maiores do que 5 mm cada. Por um desses orifícios o médico introduz o artroscópio, um instrumento óptico que é acoplado a uma câmera e que transmite as imagens de dentro da articulação, ampliadas e em altíssima definição, para um monitor de vídeo. Pelo outro orifício são inseridos os instrumentos cirúrgicos artroscópicos, que permitem ao cirurgião testar as estruturas articulares, colher fragmentos de tecidos para biópsias, remover corpos livres, identificar lesões e tratá-las. A artroscopia serve, portanto, para diagnosticar e também tratar as patologias intra-articulares.

As vantagens dessa moderna técnica para os pacientes são enormes: procedimento rápido, pouca ou quase nenhuma dor, pouquíssimo tempo de internação, cicatrizes quase imperceptíveis, rápida recuperação e, consequentemente, rápido retorno às atividades rotineiras e esportivas. Na grande maioria dos casos, sequer é necessário imobilizar o joelho depois da cirurgia.  A recuperação de uma cirurgia artroscópica costuma ser muito mais rápida, quando comparada com as técnicas convencionais. As cicatrizes, de tão pequenas, costumam desaparecer com o tempo. A técnica artroscópica já existe há alguns anos. O que temos hoje de diferente é que os instrumentos de última geração são muito menores, de extrema precisão e com grande gama de funções que não existiam antes. Os resultados cirúrgicos hoje são muito melhores do que eram há alguns anos, quando a técnica começou, e o avanço constante nas novas tecnologias faz com que as coisas melhorem cada vez mais e com grande rapidez.


Atenção e prevenção

Todas as pessoas devem fazer atividades físicas para manter a boa saúde, sempre orientadas por profissionais da área. Entretanto, se perceber algum desconforto ou qualquer sintoma no joelho, procure um médico ortopedista especialista em joelhos ou em traumatologia esportiva, para que se  tenha uma avaliação mais detalhada. Assim, você preserva suas articulações e evita transtornos mais graves no futuro.

“Poucos meses depois da minha artroscopia, e com apenas um mês de treino, ganhei um torneio de golfe na minha categoria”, conta a pedagoga Gilka Mereb Calixto Feres, de 60 anos. Ela sofria de inchaço e dor nos joelhos e foi diagnosticada com lesão de menisco e de cartilagem, sendo submetida à cirurgia em maio de 2012. “Minha recuperação exigiu alguns cuidados, como usar muletas por poucos dias e fazer algumas sessões de hidroterapia e fisioterapia, mas o resultado compensou muito. Além de praticar golfe duas vezes por semana, sou diretora de uma organização não governamental que cuida de 100 crianças, então subo e desço escadas várias vezes ao dia e faço muitas atividades, o que requer joelhos sadios”, salienta. “Além disso, depois da artroscopia pude brincar de ‘cavalinho’ com os meus netos”, completa com humor.


Queixas mais comuns e principais indicações

Nas mulheres, as reclamações mais comuns são de dores relacionadas às atividades diárias ou à prática de exercícios. Nos homens, as queixas normalmente se devem a lesões ocorridas durante a prática de esportes, principalmente futebol. As crianças também podem se queixar de dores nos joelhos, antigamente chamadas de “dores do crescimento”. 

Os joelhos podem ser acometidos por desgaste da cartilagem, doenças inflamatórias e, mais raramente, por lesões tumorais. Artrose é o desgaste da cartilagem que pode ocorrer devido ao uso incorreto da articulação, como quando fazemos exercícios errados; por lesões como contusões ou entorses; por doenças inflamatórias como, por exemplo, alguns tipos de reumatismo; e também por alterações anatômicas, como nos casos de pacientes que têm as patelas inclinadas excessivamente para fora. 

Outras estruturas internas dos joelhos também podem sofrer lesões. Os meniscos são frequentemente lesionados. Da mesma forma, os ligamentos do joelho podem ser estirados ou até rompidos quando, por exemplo, o paciente sofre uma entorse da articulação e rompe o ligamento cruzado anterior. Algumas dessas lesões podem ser tratadas conservadoramente, com cuidados específicos, medicamentos e fisioterapia. Outras, no entanto, precisam ser tratadas com cirurgia. Tudo vai depender do diagnóstico correto e da indicação adequada a cada caso.


Mais qualidade de vida

Há sete anos apresentando inchaço e dor no joelho, o técnico em óptica Carlos Antonio Casagrande, de 35 anos, reconquistou sua qualidade de vida depois da artroscopia. “Não conseguia mais caminhar em locais irregulares, nem subir e descer escadas, pois sentia dor. Já tinha feito umas sete punções no joelho, mas sem resultado. Somente depois da cirurgia voltei a ter vida normal”, relata o paciente, que apresentava lesão do ligamento cruzado anterior, ruptura de menisco e uma pequena lesão de cartilagem no joelho direito devido à prática de futebol. “Passados cinco dias da artroscopia eu já estava dirigindo e depois de 10 dias já estava trabalhando normalmente. Foi surpreendente. Já estou pensando em começar a correr ou nadar”, completa Carlos, que tinha sido operado há apenas 20 dias quando deu este depoimento. 

O mesmo êxito obteve a professora Elcy Mary Bordignon Carvalho, de 55 anos. “Há 20 anos fiz uma cirurgia por romper o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo num movimento brusco dentro do avião. Porém, em 2012, na praia, uma onda me tirou do prumo e rompi novamente o mesmo ligamento, voltando a ter dor e falseios. Felizmente, fiz a escolha certa: fazer novamente a cirurgia do ligamento, mas desta vez com a técnica artroscópica atual. Estou muito satisfeita com o resultado”, ressalta. “A minha recuperação foi muito rápida. Em poucos dias já nem dava para perceber que eu tinha feito uma cirurgia no joelho. Os cuidados e a atenção dispensada pelo cirurgião e toda sua equipe também fizeram toda a diferença e me ajudaram muito na minha recuperação”, conclui.

 

Fonte: Revista Corpore



Água no joelho:você tem ou já teve? O que fazer para evitar

O que é “água no joelho”?

Várias doenças que afetam os joelhos, sobretudo se infecciosas, ocasionam uma coleção de líquido no interior da articulação, popularmente referida como “água no joelho”. Esse líquido é produzido pela membrana sinovial de todas as articulações, recobre internamente a cápsula articular em colaboração com a circulação sanguínea e é chamado líquido sinovial. Ele é um líquido viscoso que tem como principais funções lubrificar as extremidades ósseas e amortecer os impactos de umas contra as outras, além de participar da nutrição das peças articulares. Quando afetadas por quaisquer doenças, as membranas sinoviais passam a fabricá-lo em excesso, gerando o quadro clínico da chamada “água no joelho”. Mas não há somente um aumento na quantidade, mas também há uma alteração na qualidade e características físicas desse líquido.

Quais são os principais sinais e sintomas da “água no joelho”?

Normalmente, a articulação do joelho torna-se globosa, aumentada de tamanho e frequentemente exibe sinais de inflamação (inchaço, dor, vermelhidão e calor). O derrame articular pode dar-se de forma lenta ou repentina, conforme a sua causa. Dobrar o joelho torna-se um problema e o andar pode ficar muito prejudicado ou mesmo impedido. Nos casos mais intensos até mesmo o ficar de pé pode ser muito difícil.

Quais são as principais causas de “água no joelho”?

Em geral, a "água no joelho" aparece após algum traumatismo no joelho (torções, pancadas, etc.), afetando cartilagens ou meniscos. Os atletas (profissionais ou amadores) são os que mais sofrem com esse problema, mas doenças locais como as artroses, artrites, gota, sinovites, por exemplo, ou sistêmicas, como a infecção intestinal por salmonelose, parasitose intestinal, infecção geniturinária como a gonorreia, etc., também podem levar a esse problema.

Como o médico diagnostica a “água no joelho”?

O reconhecimento da “água no joelho” é clínico, dado pela constatação de um edema flutuante. “Água no joelho” não é doença, mas sim um sintoma de alguma doença que precisa ser diagnosticada. Muitas vezes, esse diagnóstico requer o exame do derrame articular para pesquisar a sua causa. A maneira de fazer isso é colher a “água” com seringas e agulhas apropriadas e examiná-la em laboratório. Por esse meio pode também ser feita uma biópsia que, em alguns casos, ajuda a determinar a natureza do problema.

Como o médico trata a “água no joelho”?

Com o tratamento da lesão causal, o líquido no interior da articulação tende a ir se reabsorvendo, mas algumas vezes (se é muito volumoso, incomodativo ou se causa dor) ele tem de ser retirado por artrocentese (extração do líquido feita por meio de uma seringa especial). Por esse mesmo meio, pode ser injetado um corticoide ou outra medicação que evite que o líquido volte a aparecer ou novamente cause dor.

Dependendo da causa, o tratamento da “água no joelho” pode ser fácil e rápido ou demorar um pouco mais. É recomendável não fazer atividades violentas ou carregar peso. Mesmo o caminhar deve ser reduzido ao mínimo possível. Deve-se aplicar gelo por cerca de quinze a vinte minutos a cada três horas.

Como prevenir a “água no joelho”?

  • Sempre alongar os músculos das pernas antes de iniciar as atividades físicas.
  • Evitar o excesso de peso.
  • Não forçar o joelho em exercícios ou atividades cotidianas.
  • Fazer exercícios que fortaleçam os músculos que sustentam a articulação do joelho.



Medicina Desportiva

 

 

Medicina Desportiva


Quando falamos em Medicina do Esporte, a primeira ideia que nos vem à mente é que ela estaria restrita apenas a atletas. Mas a realidade é outra. A atividade física tem diversos benefícios para o corpo, tanto para pessoas sadias quanto para pessoas doentes.>

Essa preocupação com a prática de exercícios físicos é um cuidado importante com a saúde para prevenção de doenças, tratamento e reabilitações.

Dentro da especialidade existem várias ramificações que vão tratar caso a caso, examinando o desempenho do esporte e a influência dele na sua vida!

O que é a Medicina Desportiva?
É uma especialidade da medicina que investe no bem estar por meio de exercícios físicos. O esporte é um meio eficaz que reage positivamente no corpo de qualquer pessoa, sem restrição de idade, porte físico, ou até mesmo de pessoas que nunca tenham feito exercícios.

O meio é abrangente, valorizando a atividade no desempenho físico de atletas, cuidados com o corpo em geral, e atua diretamente na prevenção de doenças de idosos e crianças. Hoje em dia, a medicina esportiva vem sendo muito bem aplicada na reabilitação de pessoas que passaram por cirurgias ou daquelas que são sedentárias.

No que a Medicina Desportiva pode ajudar?
A Medicina Desportiva pode ajudar de diversas formas: na relação de crianças e adultos; para melhorar a qualidade de vida adaptando uma atividade física complementar; na inclusão de exercícios adequados para pacientes em fase de reabilitação; na relação do atleta com o seu esporte, reduzindo as chances de complicações e, sobretudo, na prevenção de outras doenças crônicas. 

A atividade física, sendo bem indicada, trás benefícios para desenvolver a resistência; estimular a regeneração de células do organismo; renovar neurônios e melhorar índices de frequência cardíaca e pressão arterial, fazendo com que a pessoa fique ainda mais disposta em seu dia a dia.

Quais as especialidades envolvidas na medicina desportiva?
Existem várias subespecialidades médicas envolvidas na Medicina Desportiva, tais como: Cardiologia, Endocrinologia, Angiologia, Ortopedia, etc., além de profissionais de saúde como: Educador Físico, Nutricionista e Fisioterapeuta, que dão suporte na especialidade.

O médico ligado à medicina desportiva precisa estar apto para investigar a ação da doença no corpo, e, a partir do diagnóstico, indicar um exercício específico que vai trabalhar as habilidades necessárias de forma saudável, exigindo unicamente o esforço físico.

Quais os tipos de tratamentos de Medicina Desportiva?
Existem vários tipos de tratamento, sendo necessário primeiramente avaliar e diagnosticar o quadro atual de cada pessoa, mediante exames para identificar o melhor caminho.

Ao tratar de casos que envolvam acidentes, a opção é recorrer à reabilitação física e motora. Já em situações em que a pessoa teve insuficiência vascular – conhecido também como IVC, são necessários exercícios dosados que trabalhem os membros inferiores para que o sangue volte a ter uma boa circulação vascular.

Para atletas que exigem muito do seu corpo, ultrapassando limites, o tratamento é feito especificamente com análise de ossos e onde, na maioria dos casos são relatados problemas com lesões.

Um médico desportista entende sobre os métodos disponíveis, e poderá assim escolher uma das alternativas mais indicadas para lhe proporcionar uma vida mais saudável, e para sua recuperação ou reabilitação.

Preciso fazer algum tipo de exame?
Sim. São necessários exames laboratoriais, eletrocardiograma, teste ergoespirométrico, avaliação de aptidão física e avaliação nutricional.

Os exames laboratoriais avaliam os elementos no sangue. O teste ergoespirométrico mede a função cardíaca e pulmonar, e é muito importante na prescrição da intensidade do exercício. A avaliação física nos permite avaliar o equilíbrio, a coordenação, a agilidade, a velocidade, a flexibilidade e a potência muscular. Já a avaliação nutricional, tem como principal função avaliar os hábitos alimentares e a composição corporal.



Tipos de Cirurgia do Joelho

O aumento do número de pessoas que buscam a prática de atividades físicas como forma de recreação e para melhoria da saúde, tem levado também a um aumento crescente de pessoas com lesões da articulação do joelho.

Além das atividades físicas, existem outras causas para as lesões de joelho, como acidentes de naturezas diversas (quedas, acidentes automobilísticos, etc). Os principais elementos lesionados em todos esses casos são: a cartilagem, o menisco e os ligamentos do joelho. Para os mais diferentes casos, já existem técnicas cirúrgicas eficazes que permitem aos pacientes voltar a ter uma vida normal. Entre os tipos mais comuns de cirurgias do joelho estão:


Artroscopia

Esse é um procedimento cirúrgico endoscópico minimamente invasivo através do qual se examina e, por vezes, se realiza o tratamento dos danos do interior de uma articulação.

A artroscopia é geralmente realizada para tratar a cartilagem do menisco lesionada, para reconstrução do ligamento cruzado anterior e para microfraturas da cartilagem.

Para isso, o cirurgião utiliza um artroscópio, um tipo de endoscópio que é inserido dentro da articulação, através de uma pequena incisão. O endoscópio é um aparelho que conta com uma fonte de luz e uma câmera, gerando imagens para o médico durante o procedimento.


Artroplastia ou Osteotomia
Artroplastia é o tratamento cirúrgico de substituição de uma articulação comprometida pelo osteoartrose que leva a dor persistente. Essa interferência cirúrgica tem como objetivo restaurar o máximo possível da mobilidade e da função da articulação.


Substituição Total do Joelho
Quando os ossos, tecidos ou tendões são gravemente danificados, o paciente precisa passar por processo, no qual a peça danificada é removida. Após isso, um pedaço de metal ou de plástico é colocado para que a função e o alinhamento dos joelhos sejam recuperados. O procedimento é realizado normalmente em pessoas mais velhas, pois em pessoas mais jovens existe a chance de desgate do material plástico ou metálico.


Cirurgia do Joelho Parcial
Quando uma cartilagem do joelho estiver danificada, esse tipo de cirurgia pode ser indicada. Nesse procedimento, a incisão é menor, mas os resultados deste tipo de procedimento podem ser menos satisfatórios que a substituição total.


Ressecção
O procedimento envolve a remoção de uma parte do osso danificado, cartilagens ou de tendões.


Recolocação do Joelho Minimamente Invasiva
Esta é uma nova técnica de substituição do joelho. Neste processo , as incisões são comparativamente menores do que outros procedimentos, onde um pequeno corte é feito. Através deste corte, é passado um tubo fino com iluminação, permitindo a visualização da parte danificada. Com isso, o cirurgião pode tomar as medidas corretivas cabíveis.


Cirurgia de reconstrução do LCA (ou ACL)
LCA é a sigla que representa o Ligamento Cruzado Anterior. Este é um dos mais importantes ligamentos do joelho. As lesões no LCA são bastante frequentes entre os atletas de alto rendimento. Esse ligamento ajuda a manter o joelho estável e, na prática das atividades físicas ou do dia-a-dia, podem ocorrer prejuízos. Se o dano for grave, o procedimento cirúrgico é recomendado.


Reparo do Tendão Patelar
A parte exterior do joelho é composto do tendão patelar ou ligamento patelar. É essa parte que nos permite retroceder algo ou endireitar os joelhos, além da função de suportar a força do corpo.

A lesão nesse tendão também é comum em atletas. Os esportes mais relacionados às lesões do tendão patelar são aqueles que geralmente envolvem saltos, como voleibol, basquetebol e algumas modalidades do atletismo. Devido à isso, a lesão do tendão patelar por trauma repetitivo recebeu o nome genérico de "joelho do saltador. Mas essas lesões não são exclusividade desses esportes e ocorrem também em outras atividades, como corrida, futebol e tênis.

Quando o tendão é lesado por alguma razão, a cirurgia pode ser necessária. Durante a cirurgia, suturas fortes são usadas e estão vinculadas aos tendões. Em seguida, são passados através da rótula do joelho, fazendo buracos.